Engenharia a Serviço do Brasil Engenharia a Serviço do Brasil

Ensaios e Práticas de Preparação "Polímeros"

Este teste foi elaborado de modo a avaliar as propriedades mecânicas de materiais, produzindo dados quantitativos, como: razão de Poisson, tensão máxima de tração, tensão de escoamento, módulo de elasticidade, deformação plástica, deformação elástica. Os parâmetros utilizados neste teste são detalhados pelas normas ISO 527, ASTM D638, ASTM D7291 e ASTM D412 e variam de acordo com a especificação do material. O ensaio ainda pode ser executado às temperaturas alta, ambiente e baixa.
Este teste provê informações quanto a propriedades compressivas de polímeros quando submetidos ao carregamento durante o ensaio, incluindo: módulo de elasticidade, tensão de escoamento, resistência à compressão e deformação plástica. As normas que especificam este ensaio são: ISO 604 e ASTM D695.
Ensaio realizado por flexão, em 3 ou 4 pontos, determina propriedades de flexão de materiais poliméricos, rígidos ou semi-rígidos com até 5% de deformação. As normas que regem este ensaio são: ISO 178 e ASTM D790.
Este ensaio é especificado pelas normas ASTM D7791 e ASTM D7774, respectivamente para fadiga uniaxial e flexão. O teste submete o material a tensões cíclicas abaixo do limite de proporcionalidade do material, determinando a resistência à fadiga do polímero testado.
Ensaio detalhado pela ASTM D395, que submete materiais poliméricos, geralmente para aplicações amortecedoras ou selos, a tensões compressivas. O teste ainda pode ser realizado a temperaturas elevadas com o material imerso ou não em fluido.
Ensaio utilizado para testar a resistência de juntas adesivas com objetivo de determinar o comportamento tensão-deformação dos adesivos. O ensaio é especificado pela ASTM D5656.
Este ensaio é utilizado para determinar a tenacidade do material, sendo esta a energia absorvida pelo material até se romper. O ensaio é executado conforme as normas ISO 179 e ASTM D6110 que padronizam a energia de impacto efetuada pelo martelo e permitem a realização do teste a temperaturas diversas.
Especificado pela norma ASTM D256, este teste possui o mesmo princípio utilizado no ensaio de impacto Charpy, apenas diferenciando-se pela geometria e posição dos corpos de prova e a região alvo do martelo; para este ensaio o corpo de prova é posicionado verticalmente.
A metodologia empregada em testes de dureza é baseada na penetração de um endentador via a aplicação de uma carga. A penetração é inversamente relacionada à dureza do material, que relaciona-se ao módulo elástico e viscoelasticidade do polímero. Este ensaio é regido pela norma ASTM D2240.
Este ensaio, especificado pela ASTM D2632, é bastante utilizado em elastômeros para determinação do módulo de resiliência do material, que é a capacidade de absorver a energia e devolver parte da mesma.
Este ensaio determina as características de relaxação de tensão de elastômeros quando submetidos a carregamentos. A norma utilizada para este ensaio é a ASTM D6048.
O ensaio de fluência em polímeros é especificado pela ASTM D2990. Uma tensão trativa. Compressiva ou fletora constante é aplicada no material, geralmente submetido a temperaturas superiores à ambiente, provocando deformação e ruptura do material.
A norma ABNT NBR 15536 especifica métodos de ensaio para os tubos de plástico reforçado com fibra de vidro (PRFV), incluindo a determinação da classe de rigidez de tubos, testes de tração circunferencial e axial, de resistência à pressão hidrostática de longa duração (HDB) e de resistência à compressão circunferencial de longa duração (SB) de tubos.